miércoles, 10 de septiembre de 2014

Nossa Senhora do Escorial - Apresentação e mensagem de Jesus sobre a situação do mundo


Nossa Senhora de El Escorial
Espanha, 1981-2002


Aparições de Jesus Cristo e Nossa Senhora
actualmente em estudo a cargo do Arcebispo de Madrid, Carlos Osoro.
Com o Culto Eucarístico autorizado, no lugar das Aparições.




Quadro de Nossa Senhora das Dores, tal como se apareceu a Luz Amparo Cuevas.


São conhecidas como as Aparições de Nossa Senhora do Escorial, aquelas que tiveram lugar em Prado Nuevo (nos arredores de El Escorial, província Madrid), entre Junho de 1981 e Maio de 2002, a uma mulher simples e mãe de família, chamada Luz Amparo Cuevas (01.04.1931 – 17.08.2012). Nossa Senhora pousou os seus pés santos num freixo, que é a grande relíquia de Prado Novo, juntamente com Capela que a Mãe de Deus pediu na primeira aparição no dia 14 de Junho de 1981:
Sou a Virgem Dolorosa. Quero que se construa neste lugar uma capela em honra do Meu nome. Que venham de todo o mundo meditar na Paixão do Meu Filho que está completamente esquecida. Se fizerem o que Eu digo, haverá curas; esta água curará. [Refere-Se à água que mana da fonte que ali se encontra]
Todo aquele que vier diariamente rezar o santo Terço será abençoado por Mim. Muitos serão marcados com uma cruz na fronte. Fazei penitência, fazei oração».

Freixo onde teve lugar a primeira aparição de Nossa Senhora a Luz Amparo, a 14 de Junho de 1981,
e a fonte donde brota a água que Nossa Senhora prometeu que curaria quando fosse construída a Capela.




Mensagem de Jesus Cristo sobre a situação do mundo    

13 de Novembro de 1981
[Considerada o pórtico das Mensagens de Jesus e Nossa Senhora no Escorial]

«Sim, Minha filha, aqui está o teu Pai Celestial, como te disse no primeiro dia da Minha aparição. Sou o teu Pai Celestial e sei que sofres muito. Como não saberia Eu como são tão horríveis esses tormentos, se Eu Mesmo os sofri pela Humanidade tão ingrata! Eu sei que não merecem nada disto, Minha filha, mas é preciso salvá-los, é preciso salvá-los custe o que custar. Escuta-Me, Minha filha, pois o Meu Coração Vítima cansa-Se da ingratidão dos Meus amados filhos. Não te falo da maldade dos ímpios, mas da malícia dos cristãos.
Vou relatar-te abertamente a situação do mundo, para que compreendas o porquê da Minha Paixão Mística como vítima imolada pelo mundo, como Rei Mártir da Minha caridade pelas almas e como Deus desdenhado pelas Minhas criaturas. Minha filha, empreguei toda a Minha Sabedoria para proporcionar aos homens todos os meios para adquirirem o gozo do Meu Reino eterno. Para atraí-los, empreguei toda a Minha ternura, a Minha bondade, a Minha misericórdia, as Minhas riquezas, a Minha magnificência e o Meu amor. Mas não querem saber de nada, são ingratos. Fiz por todos o que teria feito pelos Meus próprios filhos, mas não o merecem. Tudo o que fiz por eles [não fiéis], por todos em geral, fi-lo do mesmo modo como para os Meus eleitos. O que fiz por um, fi-lo por todos em geral e a todos dei o Meu exemplo no caminho deste mundo. Por todos ascendi aos Céus, voltando ao seio do Pai, e por todos realizei o milagre da consagração da Eucaristia, para permanecer aqui com eles. Estou para todos, não só para alguns, encerrado dia e noite nesse sacramento, triste, a sofrer. Por todos instituí o Meu Sacerdócio privilegiado e para todos fundei a Igreja Santa com os seus auxílios de indefectível virtude e de única esperança de eternidade. Minha filha, dei a todos as Minhas palavras de salvação e de vida, que o santo Evangelho da lei, da graça e do amor guarda e expressa com toda a clareza naquelas palavras: "Amai-vos uns aos outros". Expressei-o numa linguagem que todos entendessem. E disse-vos: "Permanecei todos unidos, permanecei em Mim, para que sejamos um só…, para que sejamos um só como o Pai e Eu somos". Mas o que fizeram da Minha Palavra, da Minha doutrina e dos Meus desejos, senão mofa, crimes e traição, Minha filha?
Olha, Minha filha: formou-se a Minha amada Igreja, erigiu-se e estendeu-se o Meu Reino nas almas; mas o eterno Inimigo entrou na raça maldita para apoderar-se de todos; apoderou-se de toda a raça. Veio também fazer divisão na família [cristandade] a qual, surgindo bandos, começou a minar-se entre si.
Não Me queixo do Inimigo nem dos seus sequazes, porque todos eles são malditos; queixo-Me dos que, sendo Meus, favoreceram a acção do mal. Minha filha, o Inimigo quer seduzir e não sabe como.
Recordai-vos sempre das Minhas palavras, porque se Eu não vos tivesse advertido…,  mas estou constantemente a advertir-vos. Se não vos tivesse avisado, teríeis menos responsabilidade, mas assim, como podereis desculpar-vos, Meus filhos? Não tendes desculpa.
Minha filha, está próximo o Dia Final e nesse Último Dia virei como Juiz. Acaso não o disse já à Minha Igreja Santa? Não vos socorri com pastores? Não deixei de derramar milagres por toda a parte e de derramar o Meu amor? Mas não quiseram receber de coração puro todas estas coisas. Claro, todos estes; e sabes quem são? Os ingratos, os mal-agradecidos.
Minha filha, diz-lhes que ainda estão a tempo, que venham todos a Mim, como já disse numa ocasião: "Vinde a Mim todos os que andais sobrecarregados, que Eu vos aliviarei". Vinde contritos e arrependidos, fazendo esforços para superar as tendências malignas das vossas paixões e das seduções que o mundo, o demónio e a carne vos oferecem, como o fez [Satanás] um dia no paraíso dos primeiros pais naturais.
Diz-lhes que quando Eu os convido a virem a Mim é para virem com o espírito de mudarem a má vida dos vícios, dos pecados, da incredulidade, da malícia e das comodidades refinadas com que, em cada dia, rodeastes a vossa vida humana. Porque são precisamente os seres humanos que têm de sobrenaturalizar as suas acções, imitando-Me a Mim em tudo o que fiz, quando assumi a natureza humana, que desde o primeiro até ao último momento desta vida procurei o sacrifício, a pobreza, a humildade e o desconforto. Por isso nasci numa noite gelada de Inverno e fui colocado sobre palhas de um curral de animais, para oferecer ao Meu Pai o sacrifício reparador e propiciatório a pagar à Justiça Divina pelos vossos pecados, Meus filhos. Assim, todos sois obrigados a amar-Me, pois foi por isso que desci até vós, tornando-Me semelhante a vós em todos os momentos, menos no pecado.
Minha filha, diz à juventude em que consiste o verdadeiro amor; diz aos jovens que se aproximem de Mim. Que no silêncio e com fé na Minha presença na Minha Eucaristia, Me peçam que lhes revele o segredo da felicidade do coração humano nesta vida e na eternidade. Minha filha, revela-lhes quão ditosa és pela acção do Meu amor e que não haverá amor que torne alguém feliz, se não estiver enxertado no Meu amor. Sim, Minha filha, adverte-os a todos.
Olha, Minha filha, Satanás está hoje a celebrar a sua festa nas profundezas do Inferno. Vais vê-lo: olha como as cavernas estão cheias de malditos, de pecadores, de injustos, e como se rebolam por causa do fogo! São espíritos malignos, Minha filha. Olha como o Inferno está cheio de pecadores, e não te esqueças que é por toda a eternidade! Há quem pense que sendo Deus misericordioso, como é possível que lhe vá mandar esse castigo? Sim, Minha filha, o Meu Pai Eterno é misericordioso, mas também é justo e dá a cada um o que merece. Olha, Minha filha, quantos espíritos do mal há no meio, e como as almas dos pecadores sofrem torturas pelos seus pecados. Aqui não há a morte, no entanto, nas moradas do Céu há a vida, Minha filha. Quantos quiseram morrer para não sofrer! Olha, Minha filha, vais ver uma parte do Céu, para não ficares horrorizada, não ficares com esse sabor tão mau. Olha que felicidade, olha que doçura, olha que paz, olha que alegria; aqui não há invejas, não há sofrimento, tudo é amor! Onde Eu estou nunca poderá haver sofrimento, mas onde está Satanás com os seus sequazes não há senão tormentos e sofrimentos. Adverte-os a todos, diz-lhes que se convertam, pois não quero que se condenem. Di-lo, Minha filha, di-lo a todos.
Adeus, Minha filha.»




Posição da Igreja respeito
das Aparições de Nossa Senhora do Escorial

Em 1985 (quatro anos depois da primeira aparição), o então Cardeal Arcebispo de Madrid, D. Ángel Suquía y Goicoechea, publicou una nota na que declara: «Não consta o carácter sobrenatural das supostas “Aparições e revelações” que se dão no lugar conhecido pelo nome de Prado Nuevo [...]». Estas declarações criaram, desde o principio, confusão em quem ouvia as palavras «não consta o carácter sobrenatural»; de facto, ao tratar-se de fórmulas teológicas precisas, podem não ser bem entendidas por quem não está familiarizado. A Autoridade Eclesiástica, quando quer pronunciar-se sobre umas supostas aparições, dispõem de três fórmulas teológicas para o efeito:
1. «Consta a sobrenaturalidade», quando está comprovado o carácter sobrenatural da aparição.
2. «Não consta a sobrenaturalidade», quando não está comprovado o carácter sobrenatural da aparição.
3. «Consta a não sobrenaturalidade», quando está comprovada a ausência do carácter sobrenatural.
Assim, as fórmulas 1 e 3 são ambas definitivas, ou seja, existe por parte da Autoridade Eclesiástica uma declaração conclusiva e definitiva sobre os acontecimentos: ou positiva («Consta sobrenaturalidade») ou negativa («Consta a não sobrenaturalidade»).
A fórmula 2 (que foi a aplicada pelo Arcebispo de Madrid às aparições e revelações em Prado Nuevo) é essencialmente temporária, e vem usada durante o tempo em que ditas aparições estão em estudo pela Autoridade Eclesiástica. Precisamente, D. Ángel Suquía, com as suas próprias palavras, aclarou em sucessivas ocasiões o carácter temporal da fórmula aplicada às aparições de Prado Novo: «Donde diz “não consta”, não quer dizer “não existe”». Disse também que a fórmula não significa “proibição”, mas uma primeira medida de prudência eclesial, «práctica que é habitual nestes casos».
A fórmula teológica temporária que diz «Não consta a sobrenaturalidade» pretende definir um facto, para o qual ainda não existe um juízo definitivo. Assim, esta fórmula temporária tem, necessariamente, que dar passo a uma fórmula conclusiva e definitiva, ou positiva (1) ou negativa (2), uma vez que o estudo das aparições e do conteúdo das mensagens esteja concluído. Tendo isto em conta, só depois de Maio de 2002, quando teve lugar a última aparição e a última mensagem, pôde começar a ser realizado o estudo completo do conteúdo teológico das mensagens, estudo que versa sobre as 376 mensagens que desde o ano 1981 até 2002 foram dirigidas por Jesus e Nossa Senhora a toda a Humanidade.
Na mesma nota de 1985 do Arcebispo de Madrid, está presente um pedido («ruego encarecido») —em nenhum momento proibição—  aos sacerdotes, religiosos e religiosas de absterem-se de participar nos actos religiosos (Terços, Via Sacra, etc...) em Prado Nuevo com o fim de evitar que a sua presença pudesse dar a entender que a Igreja já tinha dado a sua aprovação oficial.
No entanto, D. António Maria Rouco Varela (Arcebispo sucessor de D. Ángel Suquía), pelas concessões no que respeita ao tema das Aparições de Nossa Senhora em Prado Nuevo de El Escorial, revoga de facto a nota do seu predecessor no que toca à afluência de sacerdotes, religiosos e religiosas ao lugar das Aparições. A 14 de Junho de 2006, o Arcebispo de Madrid, D. António Maria, autoriza a celebração da Eucaristia com o motivo de celebração do 25º aniversario da primeira aparição de Nossa Senhora a Luz Amparo. Esta concessão foi feita consecutivamente no dia 14 de Junho dos anos seguintes, até que em Fevereiro de 2009, o Sr. Arcebispo autorizou a celebração da Eucaristia, num lugar contíguo a Prado Nuevo, todos os primeiros sábados de cada mês. Recentemente (2011), durante o 30º aniversario da primeira aparição de Nossa Senhora a Luz Amparo, o Cardeal Arcebispo de Madrid, D. António Maria Rouco Varela, concedeu a autorização para a construção da Capela que Nossa Senhora pediu na sua primeira mensagem a 14 de Junho de 1981, em Prado Nuevo de El Escorial, onde se celebra diariamente a Santíssima Missa, com especial afluência de peregrinos nos Primeiros Sábados de cada mês. Fica portanto autorizada oficialmente de facto o culto e a piedade neste lugar das aparições de Nossa Senhora a Luz Amparo em Prado Nuevo de El Escorial.
Muitos vem neste acto do Cardeal Arcebispo de Madrid um reconhecimento implícito da sobrenaturalidade dos factos e mensagens do Escorial. Pode ser! No entanto, mantém-se —por enquanto— a fórmula jurídica da nota de D. Ángel Suquía (1985) no que respeita à sobrenaturalidade dos eventos em Prado Nuevo, esperando o pronunciamento definitivo por parte da Igreja.







    Jesus e Nossa Senhora deram um total de 376 mensagens para toda a humanidade, tocando todos os aspectos do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, visitando todas as dimensões da Fé da Igreja Católica e Apostólica, e é precisamente isto que pretendo dar a conhecer, ao longo de várias publicações neste blog, colocando alguns excertos das Mensagens de Nosso Senhor e da Virgem Maria referentes:
    • à Paixão de Cristo e outros mistérios da Vida de Nosso Senhor (Encarnação, Apresentação do Menino Jesus no Templo, Transfiguração de Jesus, Descida de Jesus aos infernos, etc...)
    • à Santa Igreja, aos Sacramentos, ao Papa, Bispos, Sacerdotes, consagrados, famílias, laicos
    • à Segunda Vinda de Cristo (escatologia universal)
    • aos novíssimos: morte, juízo, Céu, inferno (escatologia particular)


Momento da Sagrada Comunhão, na Santa Missa, no Primeiro Sábado de Maio de 2013, em Prado Nuevo de El Escorial.
Ao fundo a Capela de Nossa Senhora das Dores



Procissão da imagem de Nossa Senhora das Dores, desde a Capela até ao freixo sobre o
qual Nossa Senhora apareceu a Luz Amparo, para dar começo à oração do Santo Terço.
 As freiras são as Reparadoras de Nossa Senhora Virgem das Dores — Obra da Igreja nascida a partir dos pedidos de Nossa Senhora
à Luz Amparo, que foi erigida canonicamente em 14 de Junho de 1994, pelo Cardeal Arcebispo de Madrid, D. Ángel Suquía y Goicoechea.








No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada