domingo, 18 de diciembre de 2016

Papa João Paulo II sobre a terceira parte do Segredo de Fátima e a grande prova da Igreja



Papa São João Paulo II
(1978-2005)






Sobre a terceira parte do Segredo de Fátima,
a comunhão na mão,
e a grande prova da Igreja.



Reproduzimos de seguida, integralmente, o artigo da revista
alemã Stimme des Glaubens, nº 10/81, 20 de Maio de 1981:


Papa João Paulo II:
“A grande prova não pode mais ser evitada”

Quando o Papa João Paulo II esteve em Fulda, foram-lhe colocadas várias perguntas por um pequeno grupo: sobre o terceiro segredo de Fátima, sobre comungar na mão, sobre o futuro imediato, etc. Um dos participantes registou o sucedido com base na sua memória. Nome e autenticação estão disponíveis na redacção. Segue-se um excerto desse registo.

Pergunta: «E o que se passa com o terceiro segredo de Fátima? Não deveria ter já sido publicado em 1960?»
Resposta do Santo Padre: «Por causa da gravidade do seu conteúdo, os meus antecessores na cadeira de Pedro optaram por uma redacção diplomática, de forma a não encorajar o poder mundial do comunismo a tomar certas atitudes. Para além disso, deveria ser suficiente para todos os cristãos saberem isto: se estiver escrito que os oceanos inundarão totalmente várias áreas da terra e que, de um momento para o outro, pessoas morrerão, milhões delas, então de certeza que não se ansiará mais pela publicação deste segredo. Muitos só querem saber por curiosidade e por um gosto pelo sensacionalismo, mas esquecem-se que o conhecimento também significa responsabilidade. Assim apenas se esforçam por satisfazer a sua curiosidade. Isso é perigoso, ainda para mais se, simultaneamente, não estiverem dispostos a fazer nada, porque dizem que não se pode fazer nada contra o mal». Nesse momento, o Papa pegou num Terço e disse: «É este o remédio contra o mal. Rezai, rezai e não perguntem mais nada. Confiai tudo o resto à Mãe de Deus».

Pergunta: «Santo Padre, Vossa Santidade dá a comunhão na mão?»
Resposta do Santo Padre: «Existe uma carta apostólica que legitima a existência desta autorização especial. Eu pessoalmente digo que não sou a favor e que também não a posso recomendar. Mas como essa autorização especial existe aqui e corresponde ao desejo de cada bispo diocesano, submeti-me à realidade destas dioceses».

Pergunta: «O que acontecerá à Igreja?»
Resposta do Santo Padre: «Temos de nos preparar, muito em breve, para grandes provas, provas essas que podem exigir de nós o sacrifício da nossa própria vida e a entrega total a Cristo e por Cristo! Este momento pode ser atenuado através das vossas e das nossas orações, mas não pode mais ser evitado, porque só desta forma é que se concretizará a renovação efectiva da Igreja. Quantas vezes é que a renovação da Igreja proveio do sangue. Também desta vez não sucederá de forma diferente. Sejamos fortes, preparemo-nos e confiemos em Cristo e na Sua Mãe. Rezemos muito e com muita assiduidade o Terço».




Notas importantes:

A respeito das palavras de São João Paulo II sobre a terceira parte do Segredo de Fátima, parecem-nos relevantes as seguintes entradas.

1)    Entrevista feita à Irmã Lúcia em 1957 na qual a última vidente de Fátima fala do “castigo tremendo com o que Deus vai castigar o mundo” e da Rússia como instrumento desse castigo:

2)    As revelações à Beata Elena Aiello (1954-1961), alma vítima e estigmatizada, beatificada pelo Papa Bento XVI em 2011, cujo conteúdo vai na linha dos avisos feitos em Fátima sobre o castigo divino sobre a humanidade impenitente:

3)    As três mensagens que Nossa Senhora deu à humanidade em 1973, em Akita, no Japão, e que Joseph Ratzinger disse serem a continuação da Fátima:

4)    A mensagem que Nossa Senhora deu ao mundo por meio do P. Stefano Gobbi, na qual explica o significado do “Dragão Vermelho” do capítulo 12 do Livro do Apocalipse, que é o Comunismo marxista, em tanto que representa a suma de ensinamentos sobre o mundo, o homem e Deus (que não existe) que são diametralmente opostos aos de nosso Senhor Jesus Cristo, nosso Deus e Salvador:


A respeito das palavras de São João Paulo II sobre a grande prova da Igreja, parecem-nos relevantes as seguintes entradas.

1)    Catecismo da Igreja Católica, nos 675-677, sobre a “última prova da Igreja”:

2)    As revelações à Beata Ana Catarina Emmerich (1774-1824), alma víctima e estigmatizada, beatificada pelo Pp. São João Paulo II em 2004, sobre a última prova da Igreja:

3)    A Aparição de Nossa Senhora em La Salette, França, 1846, onde Nossa Senhora disse literalmente que “Roma perderá a fé e se converterá na sede do Anticristo”:

4)    Encíclica Humanum genus, do Pp. Leão XIII, 1884, sobre a Maçonaria:
2. «Eles estão a planear a destruição da santa Igreja publicamente e abertamente, e isso com o propósito estabelecido de despojar completamente as nações da Cristandade, se isso fosse possível, das bênçãos obtidas para nós através de Jesus Cristo nosso Salvador».
10. «Pois, daquilo que Nós acima mostramos da maneira mais clara, aquele que é o seu propósito último força-a a se tornar visível - especificamente, a completa derrubada de toda a ordem religiosa e política do mundo que o ensinamento Cristão produziu, e a substituição por um novo estado de coisas de acordo com as suas ideias, das quais as fundações e leis devem ser obtidas do mero naturalismo».
12. «E desde que é o dever especial e exclusivo da Igreja Católica estabelecer completamente em palavras as verdades divinamente recebidas, ensinar, além de outros auxílios divinos à salvação, a autoridade de seu ofício, e defender a mesma com perfeita pureza, é contra a Igreja que o ódio e o ataque dos inimigos é principalmente dirigido».

5)    As palavras do Venerável Arcebispo de Nova York, Fulton J. Sheen, sobre o nascimento da “contra-igreja” (1948):

6)    A mensagem de Nossa Senhora deu ao mundo por meio do P. Stefano Gobbi, na qual explica o significado da “Besta semelhante a um cordeiro” do capítulo 13 do Livro do Apocalipse, que é a obra da maçonaria infiltrada na Santa Igreja para destruí-la.


  



O artigo da revista Stimme des Glaubens, nº10/81, 20 de Maio de 1981:
(clicar nas imagens para aumentar)








domingo, 11 de diciembre de 2016

Ana Catarina Emmerich - "A comunhão dos profanos"


Beata Ana Catarina Emmerich
(1774-1824)


Beatificada por São João Paulo II a 3 de Outubro de 2004







A comunhão dos profanos


«Tive uma visão em que vi os outros da falsa igreja, num edifício quadrado, sem campanário, negro sujo e com uma cúpula alta. Eles estavam numa grande intimidade com o espírito que ali reinava. Esta igreja está cheia de imundícies, vaidades, necedade e obscuridade. Quase nenhum deles conhecia as trevas em médio das quais trabalhava. Na aparência tudo parece puro, mas não há mais que vazio» (AA[1].II.88).

«Tudo é [nesta «falsa igreja»] profundamente mau; é a comunhão dos profanos. Não sei dizer, até que ponto, tudo aquilo que eles fazem é abominável, pernicioso e vão. [...] Querem ser um só corpo diferente do corpo do Senhor! [...]
[A falsa igreja] está cheia de orgulho e presunção destruindo e conduzindo ao mal com toda a classe de boas aparência. O seu perigo está na sua aparente inocência. [...]
Fazem e querem coisas diferentes: nalguns sítios a sua acção é inofensiva: mas trabalham para corromper um pequeno número de sábios acabando por desembocar todos num centro, numa coisa má pela sua origem, num trabalho e numa acção fora de Jesus Cristo por quem toda a vida é santificada e sem o qual todo o pensamento e acção permanecem no império da morte e do demónio» (AA.II.89).

«Encontrava-me num navio arrombado e estava caída no chão, no único lugar ainda intacto: as pessoas estavam sentadas nas duas bordas do navio. Eu rezava constantemente para que não caíssem nas ondas; no entanto elas maltratavam-me e davam-me pontapés. Esperava que a qualquer momento o navio se afundasse e estava cheia de medo. [...]
Finalmente foram obrigados a conduzir-me para terra onde me esperavam os meus amigos para me levarem para outro lugar.
Continuava a rezar para que aqueles desgraçados desembarcassem também, mas o navio afundou-se e ninguém se salvou. Isso encheu-me de tristeza. No lugar para onde fui havia uma grande abundância de frutos» (AA.III.147).

«Quando olhava para baixo, via nitidamente, através de um véu de cor sombria, os erros, extravios e os inumeráveis pecados dos homens e com que necedade e maldade actuavam contra toda a verdade e toda a razão. Vi cenas de toda a espécie: tornei a ver o navio em perigo que levava estes homens convencidos do seu imenso mérito e admirados por outros, passarem perto de mim sobre um mar perigoso, e eu esperava que a qualquer momento pereceriam. Vi entre eles sacerdotes e sofri profundamente tentando que eles se arrependessem» (AA.III.149).

«Vi tantos traidores! Não suportam que lhes diga: “isto está mal”. Para eles tudo está bem desde que se possam glorificar com o mundo» (AA.III.184).








[1] K. E. Schmoeger, Vie d’anne-Catherine Emerich, 3 vols., Tequi, 1950.